COMO ESCOLHER UM FILHOTE DE CACHORRO?


COMO ESCOLHER UM FILHOTE DE CACHORRO? Escolho um cachorro de raça ou vira lata? Comprar ou adotar um cachorro?
Eu sei o quanto é difícil passar na frente de uma pet shop e ver aquele filhotinho todo fofinho e com aquela cara de “cachorro sem dono” e não se apaixonar. Mas temos que pensar em uma série de coisas que vem antes da fofura de um filhote.

Você tem que levar em consideração, que este mesmo filhote que hoje está pequeno e fofinho, vai crescer e vai ficar contigo por cerca de 10 a 15 anos ou mais! Logo, não é um “brinquedo” ou um objeto que depois de um tempo se você não quiser mais basta jogar fora ou dar para alguém. A partir do momento que você compra ou adota um cachorro, ou qualquer outro animal, você se torna imediatamente responsável por ele. Por sua vez, o animal se torna totalmente dependente de você, pois ele precisa comer, beber água, ter um local seguro para dormir, brincar e apenas você pode e deve oferecer isto a ele.
Dica: Nunca compre um filhote de cachorro por impulso. Lembre-se que ele pode ficar com você por mais de uma década!
       Para ajudar nessa decisão, temos que ter em mente alguns aspectos:
1)    Qual o objetivo/ finalidade de se ter este cachorro?
2)    Qual raça?
3)    Devo me preocupar com pedigree ou posso adotar um vira-lata?
4)    Macho ou fêmea?

 

           A primeira pergunta é a mais importante, portanto reserve um tempo especial para pensar nela, pois ela pode afetar todas as outras.
           Costumo dizer que a pessoa tem que escolher um cachorro que se adapte ao seu estilo de vida (lembre-se, você vai ter o poder de escolher o cachorro que quer para os próximos 10 anos). Ou seja, se você é do tipo de pessoa calma, tranquila, que gosta mais de ficar em casa nos finais de semana vendo um filme e coisas parecidas, definitivamente você não deve escolher uma raça que seja muito agitada, como um Labrador, por exemplo. Ele vai acabar te dando mais dor de cabeça do que alegrias. 
        Por outro lado, se você já é uma pessoa que gosta de exercícios ao ar livre, gosta de correr ou andar de bicicleta, você definitivamente não deve escolher ter um buldogue inglês, pois é uma raça que não suporta exercícios, pois tem uma dificuldade anatômica natural para respirar (raça braquicefácila, ou seja, de focinho achatado), assim como o Pug. Mas atenção, nem todas as raças braquicefálicas tem essa dificuldade, como por exemplo a raça Boxer que é um animal agitado e com boa capacidade respiratória. 
 
Dica: Escolha um cachorro que se adapte ao seu estilo de vida, para que desta forma a convivência entre vocês seja a melhor possível.
 
            Agora, se você está procurando um cachorro para seu filho(a), o ideal é que ele seja de uma raça com temperamento conhecidamente tranquilo, principalmente com  crianças, como por exemplo o Golden Retriever. Cachorros para crianças de 5 a 10 anos têm que ser muito tranquilos, pois as crianças fazem de tudo com ele, desde meter a mão dentro da boca como brincar de cavalinho, literalmente montando encima do cachorro… Portanto, você já imaginou uma criança com um Yorkshire? O cachorro é que vai sofrer neste caso e o estresse causado pela criança, pode deixar o cão até agressivo ou simplesmente não gostar de crianças.
            Da mesma maneira, serve para quando o objetivo é ter um cão de guarda, cão de caça, etc. Você tem que saber para qual função quer ter um cachorro.
            Não podemos deixar de levar em consideração também o espaço que você tem para disponibilizar para o cachorro. Não vá comprar um Dogue Alemão para ficar numa quitinete e nem um maltês para ficar solto numa fazenda… tudo dentro das suas proporções, por favor.
Dica: Escolher um cachorro de raça ajuda bastante para saber qual deverá ser o porte do animal e o seu temperamento esperado.
            Basicamente, você já percebeu até agora, a importância da escolha da raça, pois ela já vai te dizer muito sobre o cachorro que você pretende ter. É muito importante conhecer bastante a raça antes de adquirir um filhote. É claro que nem todo exemplar da raça vai seguir exatamente o comportamento esperado para aquela raça específica. Já conheci alguns Labradores bem agressivos, assim como também conheço vários pit bulls super mansos. Além da genética passada dos pais para os filhotes, o ambiente também influencia o comportamento do animal até a sua fase adulta. Um dos Labradores que citei acima ficava a maior parte do tempo preso em um canil e raramente via outras pessoas e outros cachorros. Por outro lado, os pit bulls que conheci foram criados desde pequenos com muito amor e carinho e desde cedo foram apresentados a outros animais e crianças, se tornando desta forma animais muito sociáveis.
 
Dica: O ambiente em que o cachorro está influenciará bastante no comportamento do animal adulto. Quanto mais você socializar o seu filhote com outros cachorros, pessoas e crianças, maiores as chances dele ser manso e seguro de si.
 
            Mas por que então cães com pedigree (atestado que garante que o animal tenha todas as características físicas de uma determinada raça) custam mais caro? Justamente pelo fato de possuírem o pedigree, pois isso dá a certeza ao futuro dono do cachorro de que ele possui todas as características daquela raça. Com isso, você terá a certeza do porte que ele terá quando adulto, se ele vai ter pelo curto ou longo e se ele tem tendência a ser mais brincalhão ou mais para guarda.
 
            Como conseguir um cachorro com pedigree?
            Existem alguns criadores de raças específicas (criadores idôneos) e para saber quais são confiáveis deve-se procurá-los no Kennel Clube da sua região. Apenas os criadores credenciados pelo Kennel Clube tem autorização para vender cachorros com pedigree. Agora cabe a você procurar um criador credenciado e se informar sobre ele com outras pessoas, para ver se de fato os animais que ele vende são de boa origem. É sempre bom conhecer e ir visitar mais de um criador para ver qual deles têm os melhores animais antes de adquirir o seu filhote. Procure conhecer os pais do filhote e perceba se eles têm as características que você deseja, pois muitas delas passarão geneticamente para os filhotes, inclusive as ruins. Fique atento em relação ao preço, pois se você encontrar um criador que venda bem abaixo da média, é provável que ele esteja vendendo filhotes com algum problema, ou de pais ruins.
Dica: Procure criadores credenciados pelo Kennel Club da sua região para conseguir comprar animais com pedigree reconhecido.
            Mas se você preferir adotar um vira-lata, muito bem! Você está ajudando um animal a sair das ruas e dando a oportunidade dele ser feliz e ter uma família! Agora, é importante você tomar alguns cuidados nesse momento, pois senão a experiência pode ser muito ruim. Animais que estão soltos na rua, podem estar com doenças e simplesmente não conseguirem ser tratados, mesmo com intervenção do médico veterinário. Se for adotar, procure fazer isso nos locais certos. Existem ONGs que promovem feiras de adoção, onde só colocam animais já vacinados para serem adotados. Com isso, a chance de você conseguir um animal saudável é muito maior. A desvantagem em se adquirir um vira-lata é que você não conhece absolutamente nada do seu passado, quem são os pais, qual o seu porte quando ficar adulto, qual o tamanho do pelo e principalmente, qual a tendência do seu temperamento. Agora, se você não é tão exigente assim, ótimo! Você estará fazendo um bem enorme, desde que seja realmente responsável por ele.
Dica: Se preferir adotar um cachorro procure as ONGs que promovem feiras de adoção consciente. Normalmente estes animais já tomaram pelo menos a primeira dose da vacina.
 
 
            Evite comprar filhotes de cachorro em feiras de animais particular, em anúncios na internet ou até mesmo em algumas Pet Shops, justamente por tudo que já foi dito anteriormente sobre conhecer o animal, sua genética e possível comportamento. Há Pet Shops que têm vínculo ou ligação com criadores e por este motivo, podem vender filhotes de melhor qualidade. No entanto, você deve ter certeza se elas realmente possuem contato com criadores idôneos.
            A última escolha que você deve fazer antes da compra ou adoção é em relação ao sexo do filhote. Pois machos e fêmeas se comportam diferentemente um dos outros.
Os machos têm tendência a serem mais dominantes e por isso, têm uma necessidade natural de marcar seu território urinando, tanto na sua casa quanto na rua. São em geral um pouco maiores do que as fêmeas e cachorros machos com pedigree normalmente custam um pouco menos que as fêmeas (visto que a ela pode gerar novos filhotes).
As fêmeas podem ter um comportamento mais submisso ou até mesmo, mais dominante que o macho, mas isso vai depender muito do animal. É importante lembrar que a fêmea entra no cio a cada 6 meses e nesse período, ocorre uma secreção sanguinolenta pela vulva, que pode durar de 7 a 15 dias. Nesse período ela poderá ficar mais manhosa e poderá uivar em determinados momentos como forma de atrair os machos.
Finalmente, depois de você já ter tomado todas essas decisões, vamos para a melhor parte!
 
Como escolher o melhor filhote de cachorro?
É importante saber que existem pelo menos 3 tipos de temperamento nos filhotes, que você deve saber identificar antes de comprar um. Dominante, intermediário e passivo ou submisso.
As características de um cachorro dominante, como o próprio nome já diz, indicam que ele tem características e temperamento para ser um líder numa matilha. E dentro da sua casa, ele vai querer ser o líder da sua família. Este tipo de cachorro exigirá muito mais treino e paciência de você. Não é indicado para a maioria das pessoas, pois se não for bem educado e treinado desde filhote, pode se tornar um cão agressivo e/ou muito agitado.
O cachorro intermediário é aquele que possui qualidades nas quais ele te enxerga como líder, quer ter a sua atenção, gosta de estar com você, aceita (mesmo que nem sempre) as suas ordens e vontades e sem te desafiar (mordendo ou rosnando). Indicado para a maioria das pessoas.
Por último, o cachorro passivo ou submisso. Neste caso, ele tem um comportamento de medo a maior parte do tempo. Este medo pode ser de pessoas, de outros animais ou de criança. Em geral, este tipo de temperamento, se não for bem treinado e educado desde filhote, pode gerar um cachorro antissocial ou medroso que, muitas vezes, se torna agressivo quando exposto a situações de estresse para ele (como uma criança querendo brincar). Este tipo de animal deve ser exposto a todos os tipos de situações (pessoas, crianças, cachorro, passear na rua à desde que já esteja liberado pelo médico veterinário) sempre de uma forma natural, sem pressão, mas com frequência.
Dica: Existem cachorros com temperamentos bastante distintos. São os dominantes, os intermediários e os passivos ou submissos. Saiba escolher qual o tipo de temperamento que o seu filhote terá.
Vamos supor que você esteja querendo um Golden Retriever macho para seu filho de 10 anos. Inicialmente você deve pedir para ver todos os filhotes, juntamente com os pais (alguns criadores só possuem a mãe no local, pois muitas das vezes o pai é de outro criador). Após ter avaliado os pais isolados dos filhotes e ter aprovado, parta para a avaliação da ninhada.

Neste momento, observe o local onde estão os filhotes. Veja se está limpo, se tem água disponível, se os filhotes estão espertos, se apresentam alguma secreção ocular (remela) e se estão magros. É claro, que é praticamente impossível manter o local onde há uma ninhada 100% limpo, mas também não pode estar parecendo abandonado, cheio de fezes largadas, com filhotes sujos, presença de moscas e por ai vai.

Peça para identificar os filhotes machos colocando alguma coleirinha ou alguma forma de identificá-los no meio da ninhada. Vamos fazer agora um primeiro teste, que nada mais é do que você jogar um molho de chaves no meio dos filhotes. Aqueles que correrem imediatamente para pegar o molho de chave normalmente são os dominantes. Os intermediários costumam ir atrás do cachorro que pegou o molho de chave, demonstrando curiosidade e interesse. Os passivos ou ficam quietos ou até mesmo se afastam, com medo. Vale ressaltar, que pode ter mais de um cão dominante (pois normalmente só um pega e sai com ela na boca). É interessante jogar novamente o molho de chave num outro lugar e verificar a resposta. Entretanto, você deve levar em consideração a primeira vez que você jogou o molho de chave, pois na segunda já não é mais novidade para os filhotes e um cão intermediário que esteja mais próximo pode pegar primeiro. Mas nunca um cão passivo irá pegar primeiro. Ou seja, este é um bom teste para diferenciar os animais passivos, mas nem tão bom assim para identificar os dominantes.

Neste momento você já tem pelo menos uns dois ou três cachorros filhotes com as características que você deseja, certo? Então, vamos partir para os testes individuais com esses filhotes que você já pré-escolheu.

O teste já é bem conhecido e chama-se TESTE DE VOLHARD (teste de temperamento de filhote de cão). É baseado em pontos e necessita de duas pessoas para ser feito, onde uma é você e a outra é quem vai anotar as pontuações.
Em geral, o cachorro obterá pontuações diferentes no decorrer do teste, com variações pequenas e prevalecendo uma delas. Se a variação for grande e o cachorro não tiver problema de saúde, é possível que ele seja muito instável.
Você não precisa fazer todos os testes se não tiver tempo, mas faça pelo menos os 3 primeiros e se todas as pontuações forem iguais ou muito próximas, você já pode ter grande chance de estar escolhendo o cachorro certo. Se variar muito a resposta, faça os próximos dois testes e por ai vai, até ter feito todos os 10, se for o caso.

 

Como este artigo já está muito grande vou colocar o teste de Volhard em outra postagem, que você pode acessar aqui.

Texto: Dr. Alexandre Figueiredo



Recomendados Primeiro Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *